Skip to main content

De onde vem o meu medo de engravidar?

Essa pergunta pode parecer meio óbvia, mas também pode esconder informações importantes, se olhada mais a fundo. Deparei-me com essa pergunta em uma das minhas leituras sobre viver uma vida sem pílula anticoncepcional. Como lidar com o medo de engravidar depois de largar o remédio? Não é fácil. Afinal, as Mulheres tomam o contraceptivo oral religiosamente para ter o menor risco possível de uma gravidez. Sem falar na quantidade de Mulheres que tomam a pílula do dia seguinte, muitas vezes sem real necessidade, porque são invadidas por um medo gigantesco e apavorante de que podem estar grávidas. Tomam uma bomba de hormônios – o equivalente a três cartelas inteiras de pílula anticoncepcional – de uma só vez. Se pararmos para pensar, não é muito medo? Por que tanto medo de engravidar?

 

Quando eu me fiz essa pergunta, a resposta veio de forma rápida. Talvez por ser um tanto quanto óbvia, mas eu nunca tinha me dado conta. Lembrei-me de algo que fazia (faço?) em todos os meus aniversários, desde que eu tinha uns 17 anos. Toda vez que o dia do meu aniversário estava chegando e, principalmente, no dia de comemorar um novo ano de vida, eu pensava: “Ufa! Mais um aniversário chegou e eu não engravidei. Agora, se eu engravidar nesse próximo ano, pelo menos vou ter 18.” No outro ano: “Ufa! Mais um aniversário chegou e eu não engravidei. Agora, se eu engravidar nesse próximo ano, pelo menos vou ter 19.” E assim sucessivamente. Sentia um alívio virar mais um ano sem ter engravidado. Mesmo tomando pílula e, teoricamente, sem chance de engravidar, a sensação imensa de alívio era a mesma.

 

O meu medo de engravidar vem do medo do que minha mãe pensaria de mim. Esse é o principal motivo de eu sentir medo de engravidar. Medo da reação dela. Medo dela não gostar mais de mim. Medo de decepcioná-la. Medo de ela pensar que eu sou uma completa irresponsável que não pensa nas consequências. Uma burra que estragou a vida inteira porque “não se cuidou”. Uma oferecida que se entregou para qualquer um e ainda por cima conseguiu a proeza de engravidar. Talvez a minha mãe não pensasse essas coisas, talvez ela fosse sorrir e me desse um abraço na hora, mas eu sempre temi que esses medos virassem realidade. Também me passava pela cabeça o que meu pai, minhas irmãs e minhas amigas pensariam se eu engravidasse, mas o fator principal sempre foi a minha mãe.

 

O medo de engravidar disseminou-se na nossa sociedade patriarcal. Talvez, de um jeito para cá mais ainda. O medo parte muito mais das próprias Mulheres do que dos Homens, porque nós sabemos que a “culpa”, mesmo que seja igualmente dos dois, sempre é mais sentida por nós. Nós é que carregaremos o bebê no ventre durante nove meses. Nós que teremos que viver a angústia de abortar clandestinamente, se assim decidirmos. O medo de engravidar é tão grande porque sabemos que seremos julgadas por aquela gravidez, caso ela ocorra. Independentemente do contexto, sempre terá alguém pra dizer que é cedo, é tarde, era melhor já ter casado, era melhor ter dinheiro no banco, era melhor ter concluído o mestrado, era melhor ter “fechado as pernas”… Gravidez não deve ser sinônimo de medo nem de julgamento. Gravidez é vida. E vida, cada Mulher com a sua.

 

Exercício Sagrado #18: Faça a si mesma essa pergunta e tente descobrir de onde vem, de verdade, o seu medo de engravidar. Se você tem um namorado ou esposo, pergunte se ele sente medo de você engravidar e o porquê dele sentir (ou não) medo. Conte também o que você pensa sobre isso.

 

Postado na Lua Cheia

 

Quer receber 30 Dicas Grátis de Séries, Filmes e Livros sobre o Sagrado Feminino?  Clique aqui

6 thoughts to “De onde vem o meu medo de engravidar?”

  1. Eu me fiz a mesma pergunta esses dias, que conexão, Pri! Foi interessante observar que a minha resposta veio na hora, nem precisei pensar muito: eu tenho medo de engravidar antes de planejar isso e ter que abrir mão de todos os meus sonhos do momento. As viagens que quero fazer, os idiomas que quero aprender, talvez um mestrado, talvez uma mudança, tudo o que toma conta da minha cabeça no momento e que já é difícil de conquistar agora, imagine com um/a filho/a surpresa! Vejo nesse meu medo a influência clara da relação da sociedade com as mães: que mãe é só mãe, não profissional, nem pessoa com vida própria. Que mães não devem ser contratadas porque devem ficar em casa, que mães não podem viajar ou ter vida social porque, meu deus, e o bebê?!?! Eu fico transtornada de ódio quando paro pra pensar que a gente faz algo tão bonito – que é ter crianças – e que até isso usam pra tentar inferiorizar a gente, nos colocarem num cantinho.

    1. Oi, Diúlit!
      Que legal!!! É, quando as Mulheres se juntam, a energia é muito forte! 🙂
      Nossa… Tu disse tudo, guria. Até GERAR UMA VIDA, a sociedade patriarcal consegue transformar em algo “incômodo” para o bom funcionamento do sistema. Se para uma Mulher sem filhos, o mercado de trabalho pode ser cruel, mas uma Mulher com filhos, nem se fala. Em vez de aproveitarem toda força e amor que emana de uma Mãe, desprezam. É um desperdício enorme de energia, inteligência e poder criativo. Enfim…
      Mas estamos lutando para mudar isso! Está em nossas mãos. E estamos juntas!
      Muito obrigada pelo comentário!
      Um beijo grande! ❤

  2. Sempre tive medo de engravidar, medo de envergonhar minha família principalmente minha mãe e meu pai… Um medo bobo, pois nem transava por esse medo, mesmo tomando anticoncepcional. Mas sempre tive a certeza que queria ser mãe e hoje com meu filho sinto uma felicidades imensa e não troco ele por nada nesse mundo, para mim não tem realização profissional que pague o sorriso do meu filho. Amo trabalhar, mas amo muito mais o sorriso dele quando chego em casa

    1. Oi Andressa!
      Que lindo o amor que você tem pelo seu filho. Ele, com certeza, tem sorte de ter uma mãe como você e uma Mulher ao lado que sabe o seu valor.
      Eu também, mesmo tomando o anticoncepcional exatamente como deve ser, sempre sentia medo ao transar. Como se uma voz soprasse no meu ouvido: “E se tu engravidar? Hein? O que os outros vão dizer?”. Aos poucos, vou me libertando desses medos que a sociedade machista injeta em nós, para que fiquemos paralisadas e não desfrutemos de tudo de bom que a vida pode nos dar.
      Vamos juntas!
      Muito obrigada pelo comentário! 🙂
      Um beijo!

  3. Oiiiiiii!!!!
    Então eu sempre tive medo de engravidar cedo, porque tive um exemplo em casa , no caso minha irmã, então vivi nesse meio de julgamentos enquanto criança. E pensava que eu não podia repetir o mesmo.
    Ufa! Chegando aos 29anos este mês e meus medos são outros a ESTABILIDADE, penso muito que tenho que trocar de carro , sair de aluguel pra dar o max de conforto ao meu filho. Já faz meio ano que parei com a pílula, pq realmente não conseguia mais tomar , não tava querendo tomar esses hormônios mais. Eu e me “namorido” tomamos os devido cuidado sempre né kkk!!!!

    1. Oi Ana Paula!
      Imagino a pressão que você sentiu devido à gravidez da sua irmã. Se já somos pressionadas quando não há casos na família, quando há o medo dobra, triplica… :/
      Simmm! Ter mais condições financeiras antes de engravidar, de fato, dá mais tranquilidade.
      Que bom que você deixou a pílula! E dá para se cuidar e se divertir mesmo sem ela, né? hehe A camisinha está aí para isso. E conhecer o nosso ciclo e os sinais de nosso corpo também ajuda muito.
      Tudo de mais lindo para ti!
      Muito obrigada pelo comentário! 🙂
      Um beijão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *